3 de abr de 2011

Quem diria: chocolate agora também é remédio para acne

Guloseima está sendo usada como base na preparação de alguns medicamentos manipulados

Foi-se o tempo em que chocolate era apenas uma saborosa guloseima. Agora, o doce também é base para remédios e até mesmo para medicamentos contra a acne - ele que sempre foi apontado como vilão quando o assunto eram as espinhas. Farmácias de manipulação estão preparando comprimidos com formas e sabores mais atraentes, como tabletes de chocolate. Nos Estados Unidos, a estratégia é conhecida e agrada principalmente as crianças, que consomem medicamentos que se parecem com balas, pirulitos e sorvetes. No Estado, a rede de farmácias Adriana Gomes CavalcantiMônica já manipula os remédios em formato de chocolate, do tipo amargo.
A farmacêutica Mariana Piassaroli explica que primeiro é produzida a base de chocolate - que contém cacau orgânico -, para depois acrescentar o princípio ativo usado especificamente para fortalecer unhas e cabelos e combater males como disfunção erétil e a acne. "Podemos acrescentar substâncias que vão regular a produção de sebo e com ação anti-inflamatória, evitando espinhas, por exemplo", explica a profissional. Mas a pastilha de chocolate só é feita de acordo com a prescrição médica e não vale para todo tipo enfermidade, diz a farmacêutica. "Existe uma avaliação antes porque algumas substâncias não são solúveis e não podem passar pelo processo de aquecimento. O médico também vai indicar a quantidade de miligramas em cada pastilha, que equivale a uma cápsula".

Ação do cacau

Além de ser uma forma mais saborosa de tomar remédio, muitas pesquisas já apontam que o cacau presente no chocolate tem ação antioxidante - com substâncias como o flavonóide - e de antienvelhecimento. Os amargos, que contêm mais de 50% de cacau em suas fórmulas, são os mais indicados. Mas o medicamento não promete milagres. "O resultado não é imediato, mas a longo prazo. A quantidade do ativo não pode ser muito grande, são doses menores. Funcionam como coadjuvantes nos tratamentos", diz a farmacêutica. O valor depende do tratamento. Um paciente que toma cinco pastilhas por dia, durante 30 dias, para disfunção erétil, pode gastar cerca de R$ 120.

Continue lendo a matéria aqui.

Chocólatra assumido, lembrei do monte que ganhei de aniversário. Vou ali na geladeira e já volto, rsrs!

Postar um comentário